RSS Feed

Enfrentando a solidão

Image

Forever alone…

Que morar sozinho é uma delícia muitos sabem (ou imaginam), porém, como tudo na vida tem dois lados, às vezes bate a solidão. Vem aquela vontade de um pouco de atenção, carinho e cuidados. Quem não sente falta de chegar em casa, dar um abraço na mãe e correr pra mesa que está à sua espera com a comida quentinha? E daquele irmão pentelho falando abobrinha? E das histórias bizarras que cada um viu durante o dia? Pois é, de repente vem aquela vontade de simplesmente compartilhar os fatos que vivenciou, comentar sobre a novela, falar mal da vida alheia, falar até sobre a crise na Síria. Mas e não tendo ninguém, como é que a gente faz?

Eu, particularmente, ando pela casa falando sozinha. É um modo não só de organizar os pensamentos, mas também de evitar que eu me sinta só. Ligar a TV é outra tática que uso e que sempre funciona (principalmente nos canais de música ou seriados, parece que a casa tá cheia!). Ligar pra alguém só pra contar o que fez no dia também é um super eficaz, mas prejudica o bolso. Acontece que tem dia que nem fazendo tudo isso ao mesmo tempo eu escapo da solidão e aí só tem uma saída: comer chocolate. Comer MUITO chocolate. Juro. Eu recomendo a todos porque, apesar da sensação de bem-estar ser óbvia por causa da liberação de endorfina na corrente sanguínea, é incrível como depois de algumas mordidas tudo fica lindo e você agradece a Deus por sua vida ser tão perfeita.

E você? Conta pra mim o que faz pra espantar a solidão.

O que eu aprendi

Hoje eu parei pra pensar: faz quase um ano que moro sozinha, embora pareça muito mais. Nesses últimos meses muitas coisas se passaram e uma coisa eu afirmo: estou mudada. Acompanhe a seguir algumas destas mudanças.

– É impressionante como você  começa a desenvolver manias quando não divide o teto com ninguém. Eu, por exemplo, passei a ter mania de alinhamento. Todos os meus objetos têm de estar paralelamente alinhados (controle remoto, porta-retratos, livros, cremes, etc). Por que? Não sei te dizer, só sei que eu não era assim.

–  A TV se tornou minha fiel companheira. Quando chego em casa, antes de tirar a bolsa do ombro, a primeira coisa que faço é ligá-la. Incrível o poder que ela tem de preencher o ambiente e trazer conforto.

– Mesmo sem ter com quem disputar, tenho o meu lugar favorito no sofá.

– Nesses últimos meses aprendi que ter memória de elefante é imprescindível. Esquecer de pagar as contas na datas certas dão uma dor de cabeeeeça…

– Agora eu sei escolher as melhores marcas de detergente, amaciante e pipoca. Acredite, isso REALMENTE fez a diferença na minha vida.

– Ao telefone, falo como se não houvesse amanhã. Entendo isso como uma forma de compensar os momentos em que não tenho com quem conversar.

– Passei a dormir mais! Algumas vezes cheguei do trabalho e às 19h30 já estava encolhida na cama disposta a sair dela só 12 horas depois.

– De lá pra cá passei a tomar banhos menos demorados.  A conta de luz chegando com o meu nome ainda é um pouco preocupante.

– Descobri que, se você não sabe cozinhar ou tem preguiça, qualquer coisa refogada no azeite, alho e sal mata a fome.

– Aprendi que ter uma rotina de afazeres domésticos facilita muito a vida. Assim, você sempre terá as roupas lavadas e a cozinha em dia.

– E a transformação mais importante de todas: maturidade emocional. Não é fácil assumir o controle de uma casa sozinho, ainda mais sabendo que, no meu caso, a minha mãe está há dois mil quilômetros de distância de mim. Conviver com a saudade é um exercício diário, e se você não tiver equilíbrio, desiste fácil.

Organizando os fios

Essa não é exatamente a minha sala, mas a bagunça era beeeeeem parecida...

Sabe aquele emaranhado de fios que destroem o visual da sala da gente? É fio do DVD, da TV, do modem, do telefone….Se você mora sozinho, provavelmente não sabe o que fazer pra não deixá-los tão exposto, afinal, é feio e dá a impressão de desleixo. Vem comigo que eu sei como te ajudar!

Em qualquer loja de construção ou de materiais elétricos você encontra o organizador de fios, uma espécie de “cobrinha” flexível que envolve os cabos e deixa tudo amarradinho.

Santo organizador!

Agora dá uma olhada e veja como ele realmente melhora o visual:

Eu não sei quem teve essa ideia genial, só quero parabenizá-lo publicamente e agradecer pela invenção.

Livre-se da bagunça com glamour!

Sabe aquele dia que você reserva para acabar de vez com aquela bagunça do armário ou em um canto qualquer? Pois é, a verdade é que é perfeitamente possível se livrar de objetos indesejados e ao mesmo tempo fazer com que eles se tornem úteis para outras pessoas. No dia da arrumação, reserve não só a lata de lixo, mas também uma boa caixa de papelão para juntar as coisas que você não quer mais e estão em boas condições. Isso é chic, glamouroso e humano!

Mas o que que eu faço com essas tralhas?

Fácil: existem inúmeras instituições e ONGs por aí que aceitam doações e que, inclusive, retiram em casa. Uma delas são as Casas André Luiz, um centro espírita que cuida de deficientes mentais e que aceita desde roupas até antiguidades. É só ligar no 0800 que eles agendam uma data e vão até você buscar.

Outra dica é o famoso Exército da Salvação. Eles também aceitam todo o tipo de doação, que é destinado a programas sociais pelos quais são responsáveis. Deu vontade de esvaziar a estante de livros para dar lugar a novos títulos? Saiba que o site Escola de Escolas indica quais as bibliotecas estão necessitando de doações e que você pode contribuir.  Assim fica fácil organizar a casa sem desperdício.

Dá pra viver sem sacolinhas?

E em meio à polêmica da proibição das sacolinhas plásticas nos supermercados, resolvi procurar uma alternativa para os meus lixinhos de casa. Sentei em frente ao computador e encontrei uma maneira fácil, ecológica e até divertida de jogar as coisas fora sem precisar da sacolinha: fazendo um saco de jornal.

A coisa é bem artesanal mesmo. Você vai até a banca e compra um jornal qualquer (só não pode ser tablóide tipo o Metro e o Meia Hora, porque vai ficar pequeno demais). Acompanhe abaixo o passo a passo:

Image

1. Faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca, e assim terá um quadrado;

2. Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo;

3. Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda;

4. Vire a dobradura e, novamente, dobre a ponta da direita até a lateral esquerda;

5. Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro;

6. Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação;

7. Abra a parte de cima e você verá o saquinho pronto!

Fácil, né? Tem também vídeo no Youtube e dura menos de um minuto. DICA: no lixo da cozinha, utilize duas folhas, porque pode escorrer aguinha e tudo mais.

Fica, vai ter torta!

Chega de pizza meia mussarela, meia calabresa sem cebola que seus amigos pedem. Inove com essa magnífica receita!

Um dos maiores prazeres de quem mora sozinho é receber os amigos em casa. Deixar de lado o som da TV e prestar mais atenção naquelas pessoas tão queridas faz com que o tempo voe e os laços se estreitem ainda mais. Pra fugir do bom e velho disk-pizza, hoje eu vou te ensinar uma receita fácil, gostosa e que faz sucesso com a galera: torta de frango com cheddar!

A receita é dividida em duas partes, a da massa e a do recheio.

Para a massa:

  • 4 ovos
  • 2 xícaras de (chá) de leite
  • 1/2 xícaras de (chá) de óleo
  • 2 xícaras de (chá) de farinha de trigo
  • 1/2 colher de (sopa) de fermento em pó

Para o recheio:

  • 1 peito de frango desfiado
  • 1 copo de requeijão sabor cheddar
  • 2 dentes de alho
  • manteiga para refogar
  • sal e/ou sazon à gosto

Para começar, você precisa cuidar do recheio. Cozinhe o peito de frango com caldo de galinha e depois desfie (acho que existe frango já desfiado por aí, mas no supermercado que eu  fui não tinha). Coloque-o numa tigela e jogue o cheddar e o sal/sazon. Depois disso, refogue o alho na manteiga e jogue na tigela também. Misture tudo até ficar bem homogêneo. DICA: sabe a água onde cozinhamos o frango? Talvez você precise jogá-la um pouco na mistura pra ficar tudo lisinho. Reserve.

Depois de misturar todo o recheio,  chega a parte mais mágica da receita. Sabe os ingredientes da massa? Você vai jogar tudo no liquidificador e bater durante 5 minutos. Só isso! Aí é só pegar a assadeira, untá-la com manteiga e farinha de trigo (não sabe untar? clica aqui) e jogar metade da massa. Espalhe o recheio e depois jogue por cima o resto da massa. Pronto! Coloque no forno médio por volta de 40 minutos e, enquanto isso, liga pra galera e torce pra ficar gostosa e você não passar vergonha.

Dica de Natal

E depois de longos 25 dias sem postar, cá estou novamente! Perdoem-me o abandono, mas é que nas últimas três semanas eu tive o gostinho do que é ter  mãe em casa e abusei dela. Foram lindos dias sem lavar roupa ou me preocupar em tirar alguma coisa pra descongelar e preparar a noite. Sem contar o colo e a companhia, claro, que é sempre maravilhosa.

Aproveitando que estamos na semana do natal, minha dica de hoje é bem propícia para o momento. Quem me ensinou foi meu namorado, e confesso que duvidei bastante desta receita. Experimentei e deu supercerto, agora é minha vez de te ensinar a fazer a deliciosa torrada de panetone.

Delicinha no café da manhã ou no lanche da tarde: torrada de panetone

Você vai precisar de:

1 panetone de marca duvidosa (porque aí fica beeeem sequinho)
1 assadeira
1 forno

O negócio não tem segredo: você vai pegar aquele panetone não-Bauducco (as outras marcas que me desculpem, mas o verdadeiro panetone é só Bauducco e ponto final) e cortar em fatias grossas. Depois disso, esparrame-as em uma assadeira e coloque no forno, na temperatura mais baixa, pra assar por cerca de 25 minutos, ou até ficar bem douradinho. Eu pinguei um pouco de essência de baunilha que achei abandonada no fundo da geladeira e deu um gostinho bem bom! O panetone fica com um aspecto de torrada mesmo, bem crocante, mas com aquele sabor característico do natal. Vale comer com sorvete, geléia ou manteiga. Recomendo!

Acho que este é o último post do ano…um feliz natal e aguarde muito mais peripécias para 2012!